DESTAQUE

- - - Reunião de partilha de Pais no dia 6/9 - - - Formação "Qualificar para Intervir" com Curso de "Direito à Igualdade e Não Discriminação" 2/9

domingo, 26 de setembro de 2010

Chave do caminho para reparar o cérebro


Descoberta da chave do caminho da interação que pode conduzir a terapias que ajudam o crescimento e reparação do cérebro em crianças e adultos

Investigadores do Centro de Neurociências de Pesquisa da National Children's Medical Center descobriram que os dois principais tipos de vias de sinalização activadas durante o desenvolvimento das células do cérebro – a via de crescimento do factor epidérmico via receptor e a via do factor Notch - operam em conjunto para determinar quantos e quais tipos de cérebro células são criadas durante o crescimento e a reparação no cérebro em desenvolvimento e em adulto. Este conhecimento pode ajudar os cientistas a projectar novas maneiras de induzir o cérebro a reparar-se quando estes sinais são interrompidos, e indicam a necessidade de mais pesquisas para determinar se as rupturas destes caminhos no cérbro em desenvolvimento pode levar a perturbações do desenvolvimento neurológico comum, tais como epilepsia, acidente vascular cerebral paralisia cerebral, autismo, trissomia 21, défice de atenção e hiperactividade e deficiência intelectual.

"Ao entender como essas vias de sinalização celular funcionam no cérebro, podemos ser capazes de desenvolver abordagens genéticas ou moleculares que atinjam esses sinais para facilitar ou induzir a regeneração do cérebro a partir de células-tronco neurais", disse Vittorio Gallo, PhD, diretor do Centro de Investigação em Neurociências da Criança Nacional. "Estas vias de sinalização, normalmente activadas durante o desenvolvimento do cérebro, trabalham em conjunto com o microambiente celular e através de interações com as células cerebrais existentes para determinar quanto de cada tipo de célula do cérebro são necessárias para bom funcionamento do cérebro."


Estas descobertas serão publicadas na revista Nature de Setembro.

Notícia completa aqui.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Paciente Nº 1


Foi a primeira criança a ser diagnosticada com Autismo em 1943, num conjunto de 11 crianças. Donald Gray Triplett - Donald T. Case nº 1 - tem hoje 77 anos.


Leia a notícia aqui


Ver vídeo aqui

Adicionar imagem

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Socorrismo Pediátrico



Artigo do JN online muito importante para os primeiros socorros a crianças.


O que fazer num acidente doméstico com uma criança.... Socorrismo Pediátrico - VER

domingo, 19 de setembro de 2010

Autismo e sexo masculino


Ligação do Autismo ao sexo masculino encontrada em DNA perdido.

Investigadores do Centre for Addiction and Mental Health (CAMH) e do The Hospital for Sick Children (SickKids), ambos em Toronto, Canada fornece pistas para a razão que o sexo masculino ser quatro vezes mais afectados nas perturbações do espectro autista (PEA) do que o sexo feminino.. Os cientistas descobriram que os homens que são portadores de uma alteração específica do DNA no único cromossoma X que têm, correm um risco elevado de desenvolver autismo.

Eles descobriram que cerca de um por cento dos rapazes com PEA tiveram mutações no gene PTCHD1 do cromossoma X. Mutações semelhantes não foram encontrados em milhares de grupos de controlo do sexo masculino. Além disso, as irmãs levando a mesma mutação aparentemente são afectadas.

Acreditamos que o gene PTCHD1 tem um papel importante numa via neurobiológicas que fornece informações para as células durante o desenvolvimento do cérebro - essa mutação específica pode perturbar processos de desenvolvimento cruciais, contribuindo para o aparecimento do autismo. "Disse o Dr. Vincent." A nossa descoberta vai facilitar a detecção precoce, que, por sua vez, aumentam a probabilidade de intervenções bem sucedidas.”

A predisposição do gênero masculina no autismo tem-nos intrigado durante anos e agora temos um indicador que começa a explicar por que isso pode ser," diz o Dr. Scherer. "Meninos são meninos, porque eles herdam um cromossoma X de sua mãe e um cromossoma Y do seu pai. Se a um menino nfalta o gene PTCHD1 do cromossoma X ou outras seqüências de DNA nas proximidades, eles ficam em risco elevado de desenvolver PEA ou deficiência intelectual. As meninas são diferentes porque mesmo tenham falta do gene PTCHD1, por natureza, elas têm sempre um segundo cromossoma X protegendo-as da PEA ". Scherer acrescenta: "Embora estas mulheres estejam protegidas, o autismo pode aparecer em futuras gerações de meninos nas suas famílias."

Notícia completa aqui

BOCEJAR


Um estudo conduzido por investigadores da Universidade de Conneticut e publicado na revista Childrem Development, mostra que a maioria das crianças até aos 4 anos de idade e as crianças com autismo não bocejam de forma contagiante.

“Dado que o bocejo contagioso pode ser um sinal de empatia, este estudo sugere que a empatia – e o mimetismo que pode estar por trás dela - se desenvolve lentamente ao longo dos primeiros anos de vida, e que às crianças com PEA podem faltar sinais subtis que os liguem emocionalmente aos outros” ,dizem os investigadores. Este estudo pode fornecer orientações para outras abordagens de trabalho com crianças com PEA, de forma para que se foquem mais neste tipo de pistas.

Notícia completa aqui.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Revista Autismo - Nº 0



Já estão disponíveis online os conteúdos do número 0 (zero) da Revista Autismo cuja edição impressa está a ser distribuída.


Aceda aqui

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Autismo, Vacinas e Timerosal


Um novo estudo não encontrou associação entre a exposição pré-natal e infantil ao timerosal, um conservante que contém mercúrio usado nalgumas vacinas, e autismo. Num artigo publicado na revista médica Pediatrics, os autores escreveram que o timerosal nas vacinas "não aumenta o risco para perturbações do espectro autista (ASD)". Na verdade, eles descobriram que as crianças com PEA tiveram menos exposição a vacinas contendo timerosal, que as crianças em seu estudo que não têm PEA.


Mais aqui

Ensinar a lidar com a Epilepsia




Escola Amiga da EPI arranca no ano lectivo 2010/2011

Projecto inovador a nível europeu ensina professores portugueses a lidar com o estigma da epilepsia nos alunos

Com o objectivo de ajudar as muitas crianças e jovens diagnosticadas com epilepsia em Portugal e minimizar o impacto negativo que a doença possa acarretar na aprendizagem e integração académica do aluno, a EPI – Associação Portuguesa de Familiares, Amigos e Pessoas com Epilepsia, em conjunto com a Liga Portuguesa Contra a Epilepsia (LPCE) e com o apoio da UCB PHARMA, irá implementar durante o ano o lectivo 2010/2011 o projecto de formação Escola Amiga.

Ao longo do novo ano lectivo, uma equipa de especialistas médicos deslocar-se-á gratuitamente a todas as escolas de Ensino Regular, Ensino Especial e Instituições/ATL que solicitarem junto da EPI a presença da equipa Escola Amiga.

Esta iniciativa, inédita a nível europeu, surgiu com a constatação das dificuldades enfrentadas por pais e familiares de crianças com epilepsia na procura de uma escola onde os seus filhos possam estar integrados e lhes seja dada a resposta adequada face a ocorrência de uma crise epiléptica.

Para Nelson Ruão, Presidente da EPI, “a sensibilização para a epilepsia no contexto escolar revela-se especialmente importante pois é na escola que as crianças passam a maior parte do tempo e desenvolvem as suas competências psicossociais. Da nossa experiência, nestas idades a discriminação e consequente isolamento reflectem-se mais tarde, na idade adulta, mesmo que a doença esteja controlada.

Os professores poderão ter um papel activo no diagnóstico precoce da epilepsia e no acompanhamento dos alunos com epilepsia, sendo ainda uma fonte de informação para pais e médicos sobre os tipos de crise. O projecto Escola Amiga é mais uma apoio para que os professores de Portugal, possam ajudar a desmistificar a epilepsia”.

Embora muitas crianças com epilepsia não revelem dificuldades no desenvolvimento psicossocial e cognitivo, alguns estudos referem que a patologia pode estar associada a problemas de comportamento e aprendizagem. Estas dificuldades são frequentemente ampliadas pelo preconceito e pelo estigma que derivam do desconhecimento sobre a doença e do desconforto perante as crises epilépticas.

Actualmente estima-se que em Portugal existam cerca de 50 mil pessoas com epilepsia, surgindo anualmente 4 mil novos casos, na sua maioria crianças e adolescentes. Esta é uma doença que tem como ponto de partida uma perturbação do funcionamento do cérebro, devido a uma descarga anormal de alguns ou quase da totalidade das células cerebrais.

Sobre a EPI:
A EPI é uma IPSS, constituída por pessoas com epilepsia e outras que, de uma forma ou de outra, sejam sensíveis à causa, pretendendo ser representativa das pessoas com epilepsia em Portugal. A associação, representada em 3 delegações: Porto, Coimbra e Lisboa, pretende promover a Saúde e o Bem-estar Social, assim como defender os direitos das pessoas afectadas por qualquer forma de epilepsia. Os serviços que a EPI disponibiliza passam por Acções de Informação, Grupos de Ajuda Mútua, Serviço de Voluntariado, Publicações variadas, Atendimento diário, entre outros. http://www.epilepsia.pt/

Fonte aqui

Nota: A epilepsia é uma comorbidade presente em 20 a 30% dos casos diagnosticados de autismo.

domingo, 12 de setembro de 2010

Foco do olhar e Autismo



Através de métodos de localização do olhar, os pesquisadores da Universidade da Califórnia, San Diego School of Medicine mostraram que crianças com autismo dispendem muito mais tempo a examinar visualmente dinâmicas de padrões geométricos do que a olhar para as imagens sociais - um padrão de visualização não foi encontrado em crianças quer com desenvolvimento típico ou com atraso de desenvolvimento. Os resultados do estudo sugerem que a preferência pela visualização de padrões geométricos no início da vida pode ser uma assinatura comportamental de crianças que estão em situação de risco para o autismo. Essa preferência foi encontrado em crianças em situação de risco para o autismo com 14 meses de idade.

“Ao testarmos 110 crianças com idade compreendida entre os 14 e os 42 meses, concluímos que as crianças que passam mais de 69% do tempo a fixar o olhar nas formas geométricas podem precisamente ser classificadas como tendo perturbações do espectro do autismo” afirmou Karen Pierce.


Artigo aqui


Nota: No vídeo o ponto vermelho mostra para onde a criança está a focar o olhar. Se nas pessoas à esquerda se nas figuras geométricas à direita.


video

Interneurónios e Autismo


Investigadores do Picower Institute for Learning anda Memory, no MIT, relatam na Revista Neuron de Setembro , acerca de um tipo de neurónio que quando funciona mal está ligado à epilepsia, austismo e esquizofrenia, e é muito mais complexo do que se pensava.

A maioria das células do cérebro são denominadas excitatórias porque fazem a ligação com as células alvo. Pelo contrário, as células inibidoras denominadas interneurónios, põem travão à desenfreada actividade cerebral mantendo ordem e controlo.

As convulsões epiléptica bem como os sintomas de autismo e esquizofrenia foram ligadospelo estudo a células inibidoras disfuncionais.
“Muita actividade cerebral e corre-se o risco de descontrolo, enquanto muito pouca provoca déficits cognitivos e comportamentais” disse Migranka Sur. “ O desenvolvimento e funcionamento normal do cérebro gira em volta do delicado balanço entre excitação e inibição.”

Artigo aqui

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Autismo e Medicação


Do psiquiatra espanhol Joaquin Fuentes, Gautena ( 1998)

1 - Não, não existem medicamentos para curar o autismo. Experimentam-se muitos medicamentos, mas nenhum regularizou os problemas fundamentais a que chamamos AUTISMO.

2 - SIM, existem medicamentos que podem ser eficazes no tratamento das perturbações psiquiátricas ou de alguns comportamentos de pessoas com autismo.

3 - Não, não se deve recorrer aos medicamentos quando somos incapazes de obter com outros métodos os progressos desejados na pessoa com autismo. No momento actual não existe tratamento específico para o autismo e os medicamentos podem complicar ainda mais a situação.

4 - SIM, os medicamentos podem ser um complemento de um programa de tratamento multimodal e tornar mais eficazes outras intervenções.

5 - Não, não é necessário utilizar medicamentos como substitutos de outros tratamentos sociais e educativos, nem como paliativos de carências estruturais como por exemplo a falta de pessoal qualificado.

6 - SIM, é necessário ter sempre presente que quando prescrevemos um medicamento, fazemos uma experiência sem estar certos do resultado.

7 - NÃO, não se devem ministrar medicamentos psicotrópicos sem estar seguro de que os problemas de comportamento não têm uma origem física , especialmente quando se trata de crianças pequenas ou de pessoas sem linguagem verbal ( a agitação pode dever-se a uma dor de cabeça, uma dor de dentes, uma otite, etc.).

8 - SIM, é necessário seguir as instruções médicas: não aumentar nem diminuir a dose sem autorização; não encurtar ou prolongar os tratamentos sem o controlo necessário.

9 - NÃO, não se deve esperar que os medicamentos psicotrópicos não tenham efeitos secundários. Quase todos os medicamentos tem efeitos desejáveis e indesejáveis, e em geral é necessário pesar os prós e os contras.

10 - SIM, as pessoas com autismo, na medida das suas possibilidades, as famílias e os profissionais implicados devem ser sempre informados dos limites, riscos e benefícios potenciais dos medicamentos. A pessoa autista, ou o seu tutor legal, tem direito de dar um consentimento informado. É ao profissional que prescreve os medicamentos que compete a obrigação de fornecer os dados necessários para que eles possam tomar uma decisão com conhecimento de causa.

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Forma de Olhar da Criança e Autismo


A forma de olhar da criança pode ser um subtil marcador precoce de autismo.


O Kennedy Kriegar Institute anunciou os resultados de um novo estudo que aponta um marcador precoce, para uma comunicação tardia e atrasos na socialização em crianças com alto risco de autismo, que pode ser o olhar poucas vezes para outras pessoas de forma expontânea.
O estudo baseou-se na observação de um grupo decrianças de seis meses de idade, 25 crianças irmãos de crianças com autismo (grupo de alto risco - têm uma probabilidade 25 vezes maior de vir a ter autismo) e outro grupo de 25 crianças sem antecedentes familiares de autismo (grupo de baixo risco), de modo a avaliar a aprendizagem de causa efeito e da interação social.
Os pesquisadores descobriram que, tal como o grupo de baixo risco, os irmãos do grupo de alto risco apresentaram níveis típicos de olhar social quando os seus cuidadores participavam activamente com eles, como apontar para um brinquedo e expressando emoções. No entanto, os irmãos de alto risco gastaram menos tempo a olhar para os seus cuidadores e mais tempo a fixarem-se sobre os estímulos não-sociais (brinquedo ou joystick), quando o cuidador não os incentivava, o que poderia indicar uma perturbação no desenvolvimento relacionados com a atenção conjunta*. A atenção conjunta é frequentemente um déficit de base para crianças com autismo.

Notícia completa aqui
*O termo ‘atenção conjunta’ refere-se à capacidade que demonstram os indivíduos para coordenar a atenção com um interlocutor social em relação a algum objecto ou acontecimento; uma alteração nesta habilidade inicial, e especialmente uma capacidade deficitária para iniciar a atenção conjunta, é um dos sintomas principais do autismo.